Equilíbrio na Dedicação

Fazemos cada vez mais coisas e parece que estamos quase sempre ocupados. Nos entregamos com facilidade as pressões para atender o tempo e a demanda que muitas vezes não são propriamente nossos e também queremos a todo custo agradar, ser agradado e atingir a melhor versão em tudo. Mas, será que temos dedicado tempo e esforços para o que vale realmente a pena? Ou estamos tentando apenas cumprir tarefas e funções em busca de pagar um preço que é sem valor? Estamos convictos que é quase impossível ter sempre um bom desempenho em todas as coisas?

Não costumo escrever diretamente no editor do blog porque costumo refletir antes sobre o que vou discorrer (não que não tenha feito isso agora), mas me senti forçado a conversar com você, ainda que esteja literalmente sem voz devido um resfriado. Na realidade sou tentado, na maioria das vezes, a acreditar na força que julgo possuir e na possibilidade de chegar perto da perfeição. Confesso que sempre me esforcei para fazer tudo que viesse as mãos com excelência, mas nunca parei para reparar o modo com que o realizava. Talvez o oposto dessa imagem expresse bem próximo o que quero dizer: 



Imagine-se equilibrando toda a sua rotina e tarefas sob uma corda bamba. Ou melhor, pense em fazer duas coisas delicadas e extremamente difíceis sob essa circunstância. Conseguiu? Pois bem, é impossível manter-se equilibrado sem equilíbrio. Parece redundante, mas não importa se fez sentido para mim. E espero que também faça para você também. 

Não é errado fazer o que devemos, o equívoco está em abandonar o que deveria ser prioridade. 

Temos muitas prioridades e responsabilidades. Entretanto, podemos ser tentados a esquecer de algumas delas para dar mais atenção a outras áreas especificas. Podemos ficar até corda bamba, literalmente como desequilibrados e se sobrecarregar para atender o mínimo ou sonhar com o máximo de sucesso no que iremos realizar. Essas duas possibilidades apontam para um resultado bem mais profundo do que se pode imaginar:

A insatisfação de não estar no controle é preço sem valor a ser pago 

Quando focamos demais em uma área, podemos esquecer as demais. Por exemplo: Quando me dediquei mais ao meu curso do que ao meu próprio relacionamento e momentos de comunhão com Deus. Quando preferi editar fotos ao invés de estar com meu familiares. Quando quis fazer o que queria ao invés do que tinha de ser feito. Isso tudo têm repercussões importantes. Não o fato de fazer ou deixar de fazer, mas mudar as prioridades e inverter o sentido.

Ao contrário do que pareça, quero lhe incentivar a se ocupar com o que importa sem abrir mão do que tem verdadeiramente valor. Enquanto, filhos, estudantes e cidadãos temos sim funções, mas não podemos superestimá-las a ponto de esquecer que em todas elas podemos glorificar a Deus.

Abraçar o mundo com as próprias mãos a ponto de negligenciar a Cristo é tolice. Porque não deixar que Ele te ajude?

Desse modo, se a dedicação a Cristo superar nossos próprios interesses, estamos mais próximos de encontrar o equilíbrio. Equilíbrio aqui pode significar a chave definitiva para os seus problemas, mas não quer dizer ficar imóvel. Pode até significar ter que abrir mão da ideia errada de perfeição que criamos nas nossas cabeças. Ou quem sabe ter que fazer alguma tarefa da faculdade as pressas ou se auto-sacrificar para cumprir com aquilo que também é importante para nós. Mas, antes de tudo é ir além da religião e reconhecer que:

Embora Deus controle todas as coisas, Ele fez questão de nos fazer livres para que pudêssemos desfrutar do maior privilégio que o homem pode ter: depender dEle e o glorificar em tudo 

Em tudo dai graças porque essa é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco" 1 Ts 5:18 







Nenhum comentário